Em maio realizamos as primeiras atividades da quinta edição do DUX. Estamos nos experimentando no formato online, mas já abandonamos os receios sobre o impacto desse modelo na qualidade das integrações com os novos duxers.

Contamos com a empatia dos novos duxers, que prontamente se adequaram às adaptações. E foi também a empatia tema que abriu nossas conversas. A responsável por abordar o tema foi a bióloga e neurocientista Tati Fukamati.

– A empatia é uma das principais competências do presente. Ser empático significa – entender a perspectiva do outro e se conectar com seus sentimentos de forma genuína.
– A empatia é inata ao ser humano e pode ser exercitada, amplificada.
– Organizações que promovem relações empáticas conseguem ser mais inovadoras e produtivas.
– Em tempo de distanciamento social e trabalho remoto, é extremamente importante que os líderes estejam atentos ao estado emocional dos colaboradores da sua equipe e sejam “cuidadores” dos seus times.