No sexto módulo do Geração DUX os participantes debateram e conheceram cases de sustentabilidade ambiental, econômica e social.

O encontro iniciou com uma visita à Mercur, indústria do setor de borracha localizada em Santa Cruz do Sul.  Além de visitar as dependências de uma das fábricas da empresa, os duxers conheceram a proposta do Laboratório de Inovação Social, o LAB. O ambiente foi construído pela Mercur com o objetivo de ser um ambiente que proporcione à empresa vivenciar descobertas e promover interações com a comunidade que vive em seu entorno. A ideia é que o espaço sirva como um instrumento que promova momentos significativos de ensinar e aprender e, também, de criação de soluções que ajudem a melhorar a vida das pessoas, a partir de necessidades legítimas e da convivência com elas.

O LAB comporta dois modelos de atividades chamadas aprendizagem e prototipação. Os espaços de aprendizagem são as atividades em que as pessoas colocam seus conhecimentos a serviço de outras pessoas, criando momentos significativos de ensinar e aprender. Essas ações podem acontecer por meio de uma oficina, roda de conversa, palestra ou até mesmo de um filme que gostariam de compartilhar.  Os espaços de prototipação são voltados para atividades de construção e testes de novos produtos e serviços.  São modelos de “coisas” que ainda não existem ou que existem e serão adaptadas, mas que, antes de coloca-las definitivamente em funcionamento, precisam ser testadas.

Outro case apresentado aos duxers foi o da Gerdau, empresa líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo.  As políticas de sustentabilidade da empresa foram apresentadas pelo  diretor Corporativo de Assuntos Institucionais, Comunicação e Responsabilidade Social da Gerdau, Renato Gasparetto.

A  revisão conceitual do tema sustentabilidade e sua problematização contemporânea foi abordada pela palestra de Rita Patussi,  especialista em Gestão de Responsabilidade Social e em Preservação e Conservação de Patrimônio Histórico Cultural e coordenadora de Desenvolvimento Social da Fundação irmão José Otão (FIJO).

O módulo 6 encerrou com a oficina introdutória aos projetos em grupo, com facilitação do sociólogo Domingos Armani, consultor em desenvolvimento social e institucional.